Uma noite em Curitiba

[BOOKS] ✭ Uma noite em Curitiba ✷ Cristovão Tezza – Johndore.co.uk
  • Paperback
  • 171 pages
  • Uma noite em Curitiba
  • Cristovão Tezza
  • Portuguese
  • 01 March 2018
  • 8532505694

About the Author: Cristovão Tezza

Cristov o Tezza nasceu em Lages, Santa Catarina, em 1952, mas mudou se para Curitiba ainda quando crian a considerado um dos mais importantes autores da literatura brasileira contempor nea Al m de escritor, com mais de uma dezena de livros publicados, leciona na UFPR autor, entre outros, de Trapo, O fantasma da inf ncia, Aventuras provis rias, Breve espa o entre cor e sombra Pr mio Machado de Assis Biblioteca Nacional de melhor romance de 1998 e O fot grafo pr mios da Academia Brasileira de Letras e Bravo de melhor romance do ano A publica o do in dito O filho eterno marca seu retorno Record O livro venceu os mais importantes pr mios liter rios do pa s primeiro lugar no Pr mio Portugal Telecom de Literatura em L ngua Portuguesa, como melhor livro do ano, venceu o Pr mio Bravo Prime de Cultura, na mesma categoria Foi escolhido tamb m melhor romance pela Associa o Paulista dos Cr ticos de Arte Apca e ganhou o Jabuti de melhor romance Al m do Pr mio S o Paulo de Literatura.


Uma noite em CuritibaO Livro Narra A Paix O De Um Velho Professor Aposentado, Frederico Rennon, Por Uma Famosa Atriz De Teatro E Cinema Nacional, Sara Donavan O Romance Narrado Pelo Filho Do Professor, Que Organiza E Apresenta As Cartas Do Pai Come A Como Uma Simples Correspond Ncia E Vai Tomando Um Rumo Inesperado Certo Dia, O Professor Desaparece E A Fam Lia Demora Um Pouco Para Sentir Sua Falta Porque Ao Longo Da Semana Ele J Vinha Se Ausentando Sem Ser Percebido S Notaram O Sumi O Efetivamente Quando Os Avisos J Eram Evidentes Em Toda Parte Da Casa, E A Nica Pessoa Que Pode Explicar O Desaparecimento Do Professor Sara Donavan

You may also like...

10 thoughts on “Uma noite em Curitiba

  1. Bruno Alves says:

    Acess vel em Percebo que um tema recorrente na literatura a rela o entre um pai e seu filho Ou, melhor ainda, entre o filho e seu pai Presente desde em obras como A inven o da solid o Paul Auster , passando mesmo por fic o considerada mais de g nero como Os filhos de Anansi Neil Gaiman , at a literatura cl ssica de S focles em dipo Talvez o arqu tipo do filho contra seu pai, o embate de gera es, tenha muito a nos dizer.Pudera Temos gran Acess vel em Percebo que um tema recorrente na literatura a rela o entre um pai e seu filho Ou, melhor ainda, entre o filho e seu pai Presente desde em obras como A inven o da solid o Paul Auster , passando mesmo por fic o considerada mais de g nero como Os filhos de Anansi Neil Gaiman , at a literatura cl ssica de S focles em dipo Talvez o arqu tipo do filho contra seu pai, o embate de gera es, tenha muito a nos dizer.Pudera Temos grande material a ser aproveitados da rela o inf ncia, poss vel rejei o, o per odo fr gil da rela o na cria o paterna a figura de autoridade, que vista como dolo e que desconstru da na adolesc ncia, que pode se desenvolver para uma amizade ou um embate a quebra do conv vio familiar, o confronto final entre a gera o que vai e a que fica O que foi, o que , o que ser , o que est batido, precisa ser renovado, e o impulso incontrol vel por liberade que transfigura o comportamento Quando o pai esbanja autoridade ou fama, ent o, torna se quintessencial a ruptura, a fuga da sombra deve se aspirar pela liberta o do tit que o precede, livrar se dos grilh es de uma expectativa elevada A figura do pai, do predecessor, torna se importante n o apenas no mbito particular e ntimo, mas tamb m na arte e, por consequ ncia, na literatura.A figura do pai n o apenas presente mas fundamental neste romance de Cristov o Tezza, publicado pela primeira vez em 1995 e reeditado pela Record agora no come o de 2014 Em Uma noite em Curitiba, somos apresentados ao excelent ssimo professor Frederico Augusto Rennon, historiador com uma bibliografia da escravatura e ciclos do caf sobre as costas A apresenta o feita por seu filho, o jovem an nimo que deseja compilar a correspond ncia de Rennon relacionada a um causo de vergonha ep stolas de seu pai nacionalmente famosa atriz Sara Donovan As cartas se iniciam com um cunho estritamente oficial, convite a um col quio De maneira n o t o sutil, transfiguram se em algo de textura muito mais pessoal, em uma ntima correspond ncia entre duas figuras, agora relevantes, que se conheceram em uma poca distante, uma revolta escancarada durante o ano de 69 no per odo de ditadura militar.Tezza esbanja dualiades ao construir as duas vozes que se emparalelam em duelo neste romance o filho, ir nico e azedo, j d raz o ao existir do livro nas primeiras frases Escrevi esse livro por dinheiro Compila o drama epistolar de seu genitor, comenta, e aparentemente se aproveita de uma suposta pol mica envolvendo o requisitado professor Rennon para levar o livro luz Este filho e narrador j assume que ser julgado pelo livro oportunista j aceita a vergonha, exp e que j foi taxado de mentalmente problem tico a vida todo, devido a um acidente que lhe deu uma placa de platina no cr nio Em paralelo, as cartas do professor Rennon srta Donovan, com um formalismo palp vel, tornam se crescentemente l ricas e ardentes, de uma paix o insegura que em simult neo apresenta a fragilidade de seu ego e a pompa de seu status.Assim, constr i se o retrato duplo Frederico Rennon a cada carta desconstr i e reconstr i a noite em Curitiba do col quio e seu reencontro, quando ambos se entregam a uma paix o que parece remontar a longe Sua desilus o com a vida que tem de manter se torna cada vez mais palp vel a mulher, encamada de uma doen a psicossom tica, o filho, que considera um desajustado, idiota rob tico que s serve para ficar perambulando o ambiente noturno da casa Construiu sua figura e seu montante, como professor bem respeitado, catedr tico de status orgulhoso, r gido, met dico, meticuloso Um homem travado , termo recorrente na narrativa, e Tezza tem sucesso em alcan ar a caracteriza o almejada mesmo em seus mais delirantes anseios de paix o, n o d para deixar de pereber que ele tem certo receio, uma pose, desejo de se entregar que jamais chega a se concretizar completamente em seu mago pela sua pr pria natureza figura do professor temos as duas figuras com as quais interage principalmente a atriz Sara Donovan, a figura pululante de um talento art stico latente, pessoa que se entrega aos desejos e impulsos do momento, sem grilh es, quem lhe tira do seu marasmo acad mico para redescobrir as cores da vida, quem lhe causa o impulso de jogar n o apenas o rigor, mas a fam lia tamb m, para o alto Desta jamais ouvimos um pio, temos de confiar em seu retrato pintado por Rennon Explica se ele lhe manda cartas, ela lhe responde em telefonemas Como diz o professor em um trecho voc uma voz, eu sou um texto , justificando se na sua falta de jeito com a palavra oral, com o conforto da p gina sendo completa pelas letras, preto no branco.Do outro lado, temos seu filho, que comenta as cartas, entremeia seu texto com o do pai e causa o confronto geracional o novo, o rapaz que parece ter desistido da vida Segundo o que dito, muito inteligente, mas muit ssimo pouco esfor ado, passa seus dias por tentar criar uma carreira de poeta, compondo constantemente Como um fl neur dos espa os pessoais, apenas vaga sem prop sito no espa o de sua casa, mais tarde, sob a suspeita das sa das de seu pai, para vigi lo, segui lo, destrinchar seus malfeitos Seu texto diferente mais seco e cido Com o tempo e a leitura das cartas, n o obstante, as figuras liter rias de seu pai pai come am a transbordar e infectar o pr prio texto ele mesmo o reconhece V esta pessoa que o precede, a bem respeitada figura paterna com glacial frieza no come o Com o tempo, caem por terra as dist ncias Busca compreender o pai, sem deixar de sentir uma raiva mista pena V o com o olhar inferior de filho sob sombra de Rennon, ao mesmo tempo que mesclado condescend ncia para com um homem que, v , cometeu erros, reconhece que viveu uma vida infeliz.O jovem Rennon, n o narrador, o personagem, busca alguma reconcilia o m o estendida In meras vezes estende a m o, pronto para chamar a aten o, para dizer pai, estou aqui Mas no que isso resultaria No momento em que ambos estavam sozinhos, em uma clima razo vel, face a face Sabe, filho, acho que n o temos muita coisa sobre o que conversar A dist ncia torna se um limite intranspon vel Entre o pai e filho, cis o e ruptura, uma separa o al m das possibilidades de mera reconcilia o Rennon n o v nada de si pr prio no filho Quem sabe, ledo engano nessa duplicidade de vozes, a dicotomia pai e filho, presos em uma rela o intranspon vel, em uma diferen a e indiferen a marcante que d o tom para este romance metade epistolar que Tezza constr i em Uma noite em Curitiba Outros elementos a filha irm sumida da fam lia Rennon o misterioso incidente de 69 que liga Sara Donovan e Rennon em uma conversa indiz vel a brusca mudan a em sua esposa, Margarida, ap s o in cio do caso Mas not vel que s o nessas tr s figuras outras, pai, amante, e filho, em suas particularidades e diferen as, em suas express es e seus relacionamentos, em seus dilemas e vidas passadas e presentes que se fundamenta este romance